O guia completo sobre o curso de Gestão Hospitalar

17 minutos para ler

Para que um hospital ou qualquer outro estabelecimento médico possa funcionar de forma eficiente, é necessário que haja o trabalho de um gestor por trás dele. Nesse sentido, o curso de Gestão Hospitalar é fundamental para que o profissional consiga se capacitar para atuar nesse ramo.

No entanto, existem diversas variáveis que você precisa analisar antes de decidir se esse é o curso certo para você, como o período da graduação, as funções exercidas no dia a dia pelo gestor, a situação atual do mercado e os desafios diários da profissão.

Pensando nisso, elaboramos este guia completo para que seja possível avaliar com cuidado essa graduação e fazer a escolha certa para a sua carreira. Acompanhe!

Como é a graduação em Gestão Hospitalar?

O curso de Gestão Hospitalar envolve todo o gerenciamento dos componentes da área da saúde, como pessoas, materiais e equipamentos. Desse modo, é um ramo que carrega bastante responsabilidade, por isso você precisa ser competente para atuar nele.

Nesse caso, é possível fazer o curso técnico, que é de nível médio; a graduação, de nível superior; ou a pós-graduação em gestão hospitalar, que concede o título de especialista. Caso você busque qualificação e ainda não tenha nenhum contato com a área da saúde ou a de gestão, fazer a graduação nessa área é a opção ideal para obter o conhecimento desejado.

O curso tem duração média de três anos, sendo enquadrado na graduação tecnológica, que é uma modalidade de ensino superior voltada para profissionais que desejam se inserir rapidamente no mercado de trabalho. Lembre-se que, para matricular-se nele, é necessário ter concluído o ensino médio.

Essa graduação tem como foco a capacitação de profissionais para conduzir adequadamente a rotina de um estabelecimento médico, tomando decisões que vão desde a escolha de equipamentos até a formação de equipes. Com isso, o curso abrange disciplinas que incluem não somente as áreas de gestão e negócios como também a de saúde. Ao longo dos semestres, os alunos têm contato com matérias como:

  • cultura organizacional e gestão de recursos humanos;
  • biossegurança;
  • serviços laboratoriais e exames clínicos;
  • estrutura e funcionamento do sistema de saúde público e privado;
  • legislação e direito aplicados à saúde;
  • planejamento financeiro e orçamentário;
  • gestão de contratos e planos de saúde;
  • ética e bioética.

Ao concluir a graduação, você se torna um tecnólogo em gestão hospitalar. No entanto, para obter o diploma, é necessário entregar um Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e ter finalizado as matérias exigidas na grade curricular.

Uma das vantagens desse curso é a possibilidade de cursá-lo à distância, que é um formato de ensino superior bastante prático para quem trabalha fora e não tem tempo de ir para a faculdade com frequência. Vale lembrar ainda que o diploma de ensino superior presencial e a distância apresentam a mesma validade.

Quais são as funções exercidas no dia a dia da profissão?

Como é o responsável por todo o funcionamento do local que presta serviço de saúde, o gestor hospitalar tem diversas atribuições. Em geral, ele cuida de todo o planejamento e controle de recursos, como despesas, orçamentos, receitas e compras. Além disso, é responsável pelas questões burocráticas e administrativas, como a supervisão de convênios.

Para que você entenda melhor como funciona esse trabalho, separamos as diferentes tarefas desempenhadas pelo gestor. Desse modo, você vai perceber que a rotina é bastante corrida e atribulada. Confira!

Comunicação e marketing

Toda instituição que oferece atenção à saúde deve ter como foco oferecer um atendimento de qualidade, além de preservar a sua imagem perante o público. Desse modo, o gestor precisa ter uma atuação conectada com os profissionais de marketing e relações públicas, para que assim consiga estabelecer um relacionamento saudável com os pacientes e empresas conveniadas.

Nesse contexto, é possível pensar, por exemplo, em promover campanhas de comunicação e preservar a satisfação do público em relação aos serviços que são oferecidos no local.

Administração e planejamento do negócio

Uma das principais tarefas do gestor é conseguir desenvolver estratégias para otimizar a rotina do estabelecimento, colocando-as em práticas para manter o bom funcionamento das questões administrativas e burocráticas.

Logo, o profissional deve ter conhecimento minucioso sobre a rotina do local, bem como as normas regulatórias de cada departamento, acompanhar as atividades e os procedimentos que necessitam de supervisão.

Supervisão de planos e convênios

Os planos e convênios, considerados itens pertencentes ao mercado de saúde suplementar, devem contar com a supervisão do gestor. Desse modo, ele precisa estar atualizado quanto ao funcionamento, mudanças e regras desses serviços.

Além disso, o gestor também deve tomar as decisões referentes ao planos e convênios, sendo encarregado de toda a supervisão.

Hotelaria hospitalar

O período em que o paciente se instala no hospital costuma ser sensível não apenas para ele como para a família. Por isso, é importante que tenha uma permanência tranquila e sem maiores preocupações, contando com profissionais atenciosos e capacitados.

Desse modo, o gestor precisa estar atento às questões da hotelaria que envolvem uma boa recuperação para o paciente, como a gestão de leitos, qualidade do atendimento nas consultas ou internações e pontualidade na prestação dos serviços.

Compras e almoxarifado

Com o objetivo de manter uma logística hospitalar eficaz, é importante cultivar um bom relacionamento com os fornecedores e controlar a entrada e saída de medicamentos e materiais. Assim, você consegue garantir que não haja nenhuma falta no hospital.

O gestor ainda é responsável por fazer o armazenamento dos produtos comprados e realizar as cotações necessárias, verificando o preço e a quantidade deles para evitar desperdícios.

Gestão de qualidade

Para manter o padrão de qualidade e promover o constante aprimoramento dos processos, entra em cena o papel do gestor hospitalar. Desse modo, entre suas atribuições está a gestão de qualidade do estabelecimento.

Para isso, ele deve fazer treinamentos e outras ações relacionadas à capacitação, possibilitando também a certificação e acreditação hospitalar (documento que reconhece formalmente uma instituição) para comprovar a eficácia do local.

Limpeza e conservação da infraestrutura

Ainda que o setor de limpeza seja fundamental para qualquer área, no caso da saúde, isso se torna imprescindível para que os pacientes não sofram com as más condições e, até mesmo, contraiam uma infecção hospitalar. Sendo assim, o gestor deve prezar pela limpeza, garantindo que as normas de higiene estão sendo seguidas.

Além disso, deve cuidar da conservação do local, observando se todas as salas – como leitos e salas de cirurgia – estão com todos os equipamentos necessários e funcionando perfeitamente.

Setor financeiro

Gestores de qualquer setor precisam estar atualizados sobre a saúde financeira do seu negócio e isso não é diferente no caso do hospital. Dessa forma, o gestor hospitalar deve garantir que o negócio continue funcionando por longos anos.

Para isso, é necessário elaborar um sistema de controle sobre as receitas e despesas, preocupando-se também em ser organizado para estabelecer parcerias e contratos com fornecedores, convênios, colaboradores e empresas.

Recursos humanos

Um dos pilares do funcionamento adequado de uma instituição de saúde é a equipe que a compõe. Por isso, é fundamental escolher colaboradores competentes e comprometidos com o trabalho.

Nesse contexto, o gestor precisa organizar corretamente o gerenciamento das equipes, sendo responsável pelo recrutamento e seleção de profissionais, treinamento, organização de escalas e plantões, desenvolvimento do calendário de folgas, férias e processos burocráticos, como folhas de ponto e pagamento.

Tratamento dos resíduos hospitalares

O descarte do lixo hospitalar é uma preocupação ambiental que o gestor deve ter. Além do lixo em si, existem também os lixos laboratoriais e ambulatoriais. Por isso, é importante estar atualizado sobre os cuidados com o meio ambiente, já que essa é uma das tarefas dessa profissão.

Existem regras específicas para o descarte de cada lixo e elas devem ser rigorosamente seguidas. Para isso, o gestor precisa acompanhar e garantir que tudo esteja de acordo com as normas.

Monitoramento de dados

A coleta de dados é uma prática que auxilia na elaboração de estratégias para o bom funcionamento da instituição. Nesse sentido, o gestor deve cuidar do monitoramento de dados e índices, cujos indicadores costumam ser tempo médio de permanência, intervalo de substituição e indicadores de rentabilidade.

Essas informações são fundamentais para a organização assistencial, administrativa e financeira do estabelecimento. Por isso, é importante ter atenção a esse aspecto.

O curso de Gestão Hospitalar é indicado para qual perfil?

Antigamente, os hospitais costumavam ser geridos por médicos ou enfermeiros, então não havia garantia de que eles conheciam as práticas administrativas. Mas, caso fossem administrados por gestores, também não havia certeza de que eles tinham conhecimento sobre a área da saúde. O curso de Gestão Hospitalar veio para suprir essa demanda por um profissional com visão ampla sobre esse trabalho.

Essa graduação pode ser feita, por exemplo, por pessoas formadas em administração, profissional da saúde ou alguém que já trabalhou com gestão de empresas. Porém, o que conta não é exatamente a formação anterior e sim as características pessoais para que seja possível perceber se o perfil do interessado condiz com esse curso.

Como você pôde perceber, o gestor hospitalar tem diversas atribuições, e não é qualquer perfil de profissional que se encaixa nele. Nesse sentido, para se destacar na profissão, é importante ser uma pessoa que gosta de enfrentar desafios diários, além de lidar com pessoas constantemente, já que esse profissional tem contato todos os dias com colaboradores e fornecedores.

Além disso, é necessário ser alguém bem articulado, capaz de coordenar os funcionários e de negociar. Desse modo, você precisa contar com equilíbrio emocional e autoconfiança para gerir sem deixar o medo, estresse ou dúvida tomarem conta.

Outra habilidade importante é a capacidade de resolver problemas, pois, como já dissemos, os desafios são diários, então você precisa saber trabalhar sob pressão e tomar decisões.

O gestor também deve ser um profissional organizado e contar com uma visão sistêmica do negócio, ou seja, entender todos os aspectos que estão ligados ao funcionamento do local, como a função de cada colaborador. Outro item importante é ser uma pessoa atualizada na área quanto às inovações tecnológicas e às mudanças na legislação.

Dessa forma, é importante que o gestor seja visto como um líder e não como um chefe. Lembre-se de que cada uma dessas características pode ser aprimorada, mas, caso você já tenha consigo algumas delas, o trabalho se torna mais fácil.

Como está o mercado de trabalho para a área?

A área de Gestão de Hospitalar se revela como uma das profissões em alta na área da saúde, promovendo uma carreira promissora para aqueles que desejam se aventurar nela. Isso porque a atuação não é restrita ao ambiente hospitalar, mas tudo que é focado no cuidado com a saúde e precisa de um gestor, como:

  • clínicas;
  • consultórios;
  • laboratórios;
  • postos de saúde;
  • prontos-socorros;
  • maternidades;
  • universidades ou instituições de pesquisa;
  • policlínicas;
  • ambulatórios;
  • casas de repouso;
  • casas de reabilitação;
  • vigilância sanitária;
  • empresas de consultoria na área de saúde;
  • operadoras de planos de saúde.

Desse modo, são bastante vastas as opções de atuação, o que deixa o mercado de trabalho em gestão hospitalar bastante aquecido. Existe ainda a tendência que a procura por esse profissional seja ainda maior, pois, com a expectativa de vida aumentando entre os brasileiros, aumenta também a necessidade de estabelecimentos e profissionais voltados para o cuidado de idosos.

Além disso, existem estruturas de serviços da saúde que já estão bem desenvolvidas, mas necessitam de gestores para possibilitar melhorias e manter o bom funcionamento. Desse modo, o mercado ainda carece de profissionais capacitados na área.

Quando à média salarial, é possível notar que ela sofre variações de acordo com o cargo, indo de R$2.574,71 para o trainee de pequena empresa até R$16.545,67 para ocupações de liderança em grandes empresas.

Ao concluir a graduação no curso de Gestão Hospitalar e ser absorvido pelo mercado, você pode trabalhar em diferentes áreas. Confira quais são elas logo abaixo!

Gerente hospitalar

Essa é a ocupação mais comum de quem se forma em Gestão Hospitalar, tornando-se o gerente responsável por prever problemas, coordenar ações e acompanhar resultados. Por ser uma área ampla, ela também pode se dividir em diferentes categorias, como o gerente do setor operacional ou do setor administrativo.

Analista de auditoria de contas

Para quem gosta de matemática, a auditoria de contas é um prato cheio, pois o gestor fica encarregado de cuidar da conferência e gerenciamento de valores, garantindo que as contas fiquem em dia e a saúde financeira do seu negócio não sofra com prejuízos.

Gerente de enfermagem

Mesmo que não tenha a graduação em enfermagem, é possível atuar como um gerente por meio do curso de Gestão Hospitalar, já que a graduação promove uma atuação integrada completa. Nesse caso, a função é administrar as equipes de enfermagem, garantindo que os enfermeiros atuem da melhor maneira possível.

Coordenador de estoque hospitalar

O estabelecimento médico precisa contar com todos os insumos necessário para a realização das atividades dos profissionais, como luvas, algodão e medicamentos. Sendo assim, para garantir que não haja a falta de nenhum item, é necessária a atuação do coordenador de estoque hospitalar.

Gestor de equipe e captação médica

Para que todos os profissionais atuem de forma integrada, promovendo o atendimento humanizado e cumprindo devidamente as suas funções, entra em cena o gestor de equipe e captação médica que, além de trabalhar na gestão das equipes, também é responsável por adquirir novos talentos para a instituição.

Chefe de manutenção hospitalar

Ter cuidado com os equipamentos e insumos é fundamental na promoção do atendimento de qualidade aos pacientes, por isso, existe o chefe de manutenção hospitalar, que é encarregado de levantar os cuidados necessários com os equipamentos, realizando a manutenção de modo corretivo e preventivo.

Diretor hospitalar

Esse é o cargo mais alto que um profissional formado em Gestão Hospitalar pode alcançar. Nesse trabalho, o objetivo é orientar as equipes e as lideranças em prol do bom funcionamento do estabelecimento, fazendo decisões sobre o futuro da instituição e participando de reuniões do Conselho Administrativo.

Quais são os desafios para os profissionais?

Gerir um estabelecimento médico não é uma tarefa fácil, por mais que o profissional tenha a qualificação necessária. Afinal, são diversos os desafios diários que o acompanham na profissão. Veja quais são eles.

Comunicação com diferentes públicos

Por ter contato com diferentes pessoas, o gestor precisa promover uma comunicação eficiente entre todos, incluindo colaboradores, pacientes, acompanhamentos, fornecedores, o que requer bastante paciência para que a assistência não fique prejudicada.

No entanto, nem sempre estamos num bom dia para conversar, não é mesmo? De qualquer forma, saiba que isso precisa ser deixado de lado ao entrar na instituição, pois a comunicação é peça fundamental na qualidade do serviço prestado.

Pressão para a realização das tarefas

A intensidade acompanha o dia a dia do gestor, que precisa encarar tarefas sob pressão. Por isso, ele precisa ser ágil e dinâmico para tomar decisões certeiras, sem medo de errar por estar se sentindo pressionado.

Afinal, são diversos problemas que podem rondar o trabalho desse profissional, como o orçamento apertado, a falta de insumos, a procura por mão de obra qualificada e o gerenciamento de pessoas. Desse modo, a inteligência emocional deve ser trabalhada para conseguir agir mesmo com essas pressões.

Investimento em tecnologias

Ainda que a tecnologia seja uma importante aliada em diversos estabelecimentos, nem sempre ela é devidamente implementada nos hospitais. Com isso, o gestor pode sofrer dificuldades ao tentar promover essa mudança no ambiente organizacional.

De qualquer forma, ele precisa exigir equipamentos, instrumentos e utensílios tecnológicos de qualidade, sendo responsável também por cuidar da manutenção desses itens.

Profissionalização da gestão

Como dissemos, antes era comum que enfermeiros e médico gerissem hospitais, mas, ainda que isso esteja mudando, essa modificação acontece a passos curtos, pois não são todos os estabelecimentos que já constataram a necessidade de contar com um profissional de gestão hospitalar para administrar a instituição.

Nesse contexto, além haver essa dificuldade na profissionalização, é importante que o gestor, ao se encarregar de um estabelecimento médico, não fique munido de “achismos” e esteja verdadeiramente pronto para gerenciar um local desse porte.

Direcionamento das estruturas físicas

Além de cuidar da parte interna do hospital, como equipamentos e insumos, o gestor precisa até estar por dentro da organização do plano diretor de obras, de instalações, fluxos e outros itens relacionados às facilidades prediais.

Esses fatores impactam diretamente a qualidade da assistência prestada aos pacientes, por isso essa administração deve ter um cuidado especial. Afinal, é necessário ter um conhecimento até mesmo sobre essas questões que envolvem a engenharia.

Controle de gastos

O cuidado com a saúde financeira do negócio precisa ser a sua prioridade, caso você decida atuar como gestor hospitalar. Nesse sentido, existem algumas práticas que precisam ser seguidas, como o controle de gastos e suprimentos com a meta de deixar os estoques devidamente elevados e, ainda assim, evitar os desperdícios de materiais.

Esse controle precisa ser feito de modo frequente, por meio da revisão de níveis de performance e checagem de todo o faturamento, para que assim os procedimentos que precisam ser cobrados sejam de fácil identificação.

Ainda que o gestor tenha que enfrentar diversos desafios no dia a dia, é importante destacar que o seu trabalho apresenta muitos benefícios para a instituição, como:

  • garantia dos medicamentos e tratamentos corretos para os pacientes;
  • integração dos diferentes setores da instituição;
  • melhoria da comunicação entre as equipes.

Por ser uma área em ascensão, revelando-se como essencial para o futuro do mercado da saúde, optar pela capacitação nela se apresenta como uma ótima opção de conseguir uma carreira de destaque nesse ramo.

Neste artigo, apresentamos um guia completo sobre o curso de Gestão Hospitalar, mostrando como funciona a graduação, quais são as tarefas destinadas ao profissional formado na área, as características pessoais importantes para o desempenho do trabalho, as possibilidades de atuação e os desafios enfrentados atualmente pelos gestores. Desse modo, você pôde avaliar com cautela se a graduação é uma escolha de qualificação adequada de acordo com o seu perfil e objetivos profissionais.

Gostou deste conteúdo? Então, assine a nossa newsletter para receber mais artigos sobre a área da saúde!

Posts relacionados

Um comentário em “O guia completo sobre o curso de Gestão Hospitalar

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.