Eletroterapia: o que é e como é utilizada

3 minutos para ler

A eletroterapia é um recurso fisioterápico amplamente utilizado como adjuvante na reabilitação dos mais diversos tipos de patologias. Sua técnica consiste em utilizar correntes elétricas de baixa intensidade através de eletrodos que são aplicados diretamente na pele.

O método é realizado para conseguir efeitos como analgesia, diminuição de edema, relaxamento e fortalecimento muscular para auxiliar no processo de reabilitação das mais diversas patologias.

Objetivos da eletroterapia

A eletroterapia tem como objetivo principal ser um aliado no processo de reabilitação do paciente. O fisioterapeuta utilizará os efeitos da corrente elétrica para conseguir benefícios que vão ajudar no tratamento da patologia.

Independente de qual corrente escolhida, todas elas têm um objetivo em comum: produzir efeito no local a ser tratado, que é conseguido através de reações do corpo frente ao estímulo elétrico.

Cada corrente elétrica possui objetivos diferentes e estimulam o corpo a produzir reações físicas, biológicas e fisiológicas diferentes.

Cabe ao fisioterapeuta avaliar e escolher qual corrente elétrica é a mais indicada para o tratamento da patologia em questão.

Tipos de correntes elétricas utilizadas na eletroterapia:

· Corrente interferencial: indicado para analgesia e melhoria de desempenho muscular;

· Corrente russa: é indicada para melhora do desempenho muscular;

· Ondas curtas: indicado para aumentar a extensibilidade do colágeno, diminuir a rigidez articular, alivia dores e espasmos e ajuda na regeneração de tecidos moles;

· Terapia por estimulação elétrica nervosa transcutânea (TENS): indicado para controle de dor;

· Ultrassom: indicado para tratar várias patologias de tecidos moles, fraturas e feridas;

·Laser: indicado para analgesia, para diminuir a inflamação e para estimular a reparação do tecido lesionado.

Cada tipo de corrente possui indicações e parâmetros específicos que devem ser levados em consideração na hora da prescrição da eletroterapia. É necessário avaliar o tipo de dor, local da lesão, profundidade da lesão, qual tipo de tecido está lesionado e qual o tamanho total da lesão.

Vantagens e benefícios da eletroterapia

O tratamento pode ser usado na grande maioria dos pacientes, é um método não-invasivo, não causa dependência, pode ser utilizado todos os dias e não apresenta efeitos colaterais, sendo totalmente seguro.

Indicada para as mais diversas patologias ortopédicas, neurológicas, respiratórias e ginecológicas, sejam elas adultas ou pediátricas.

Além de todas essas vantagens, a eletroterapia traz uma série de benefícios que auxiliam muito no processo de reabilitação. São eles:

· Auxilia na regeneração dos tecidos moles;

· Controla a dor;

· Diminui as contraturas musculares;

· Diminui os edemas;

· Estimula a cicatrização óssea em fraturas;

· Melhora o desempenho muscular;

· Promove o relaxamento muscular.

Indicações

· Cicatrizes cirúrgicas;

· Contraturas;

· Distensões;

· Espasmos Musculares;

· Fibroedema gelóide;

· Fraturas;

· Inflamações agudas e crônicas;

· Luxações;

· Neuroma;

· Reparo de lesões;

· Tendinites;

· Trauma em articulações e músculos;

· Trauma em tecido ósseo.

Posts relacionados