Mês do Orgulho LGBTQIA+

2 minutos para ler

Junho é um mês de extrema importância para a comunidade LGBTQIA+. Na madrugada do ano de 1969, no dia 28 de junho, ocorreu uma batida policial em um bar gay de Nova Iorque chamado Stonewall Inn.

A polícia obrigou que os clientes saíssem do bar, o policiais entraram no local e, sob a alegação de que a venda de bebida alcoólica era proibida ali, prenderam funcionários e começaram a agredir e a levar sob custódia alguns frequentadores travestis e drag queens. O público frequentador se revoltou e começou a jogar garrafas e pedras nos policiais, alegando que aquilo era um ato fóbico. Alguém atirou um pedaço de jornal com fogo dentro do Stonewall Inn, e começou um incêndio. Os policiais, que usavam uma mangueira para conter as chamas, decidiram também usar aquela água contra a multidão. A partir deste momento, parte da comunidade gay de Nova York, que até então se escondia, foi às ruas protestar nos arredores do Stonewall Inn durante seis dias. Até o final de 1969, várias cidades americanas passaram a ter organizações focadas nos direitos da comunidade.

Um ano depois ocorreu a primeira parada de orgulho gay nos Estados Unidos. Brenda Howard foi a organizadora dessa primeira passeata, com ideias para uma série de eventos com duração de uma semana em torno do Dia do Orgulho LGBT.

O nome ‘pride’, orgulho em português, foi popularizado por Brenda, junto de Craig Schoonmaker, e Donny The Punk. O termo é popular até hoje, pois remete à luta que foi passada em 1969 para que ocorresse ações atuais em todo mês de junho – Mês do Orgulho LGBTQIA+.

Outras Matérias