Osteopatia clínica: como ser um profissional da área?

6 minutos para ler

A busca por qualificação profissional é um desafio na vida de muita gente, e são diversos os fatores a serem analisados antes de uma decisão. Primeiramente, é preciso saber se é possível conciliar estudos e trabalho. Depois, o ideal é procurar uma pós-graduação que seja do seu interesse e, é claro, que agregue valor ao seu currículo. Especializar-se em Osteopatia Clínica pode ser uma ótima opção neste cenário.

Para os profissionais da área da saúde, conhecer novos e diferentes métodos de tratamento é fundamental para conseguir melhores oportunidades no mercado de trabalho. A Osteopatia, por exemplo, pode ser um verdadeiro diferencial competitivo para que você conquiste mais clientes, alavanque a sua carreira e coloque o seu currículo profissional em destaque no mercado.

Que tal, então, saber mais sobre essa abordagem que vem ganhando espaço nos últimos anos? Além disso, destacamos os pontos que você precisa levar em consideração para se tornar um osteopata. Continue a leitura deste artigo e tire todas as suas dúvidas sobre mais essa opção para o seu futuro profissional!

O que é Osteopatia?

Criada no início do século XX, nos Estados Unidos, a Osteopatia é uma metodologia terapêutica que foca as suas ações no paciente. Diferente do que estamos acostumados com as práticas tradicionais, essa técnica não prioriza a doença, mas o corpo humano e a sua capacidade de solucionar problemas a partir do seu equilíbrio.

O seu criador, Andrew Taylor Still, acreditava na busca pelo equilíbrio para a solução de variadas doenças — de dores nos músculos, nos tendões, nos ligamentos, nas articulações e nos ossos até problemas emocionais — que afligem o ser humano. A ideia é corrigir o problema a partir de alguns estímulos manuais em diferentes regiões do corpo.

Andrew focava nas causas das doenças, e não apenas nos sintomas, identificando o que poderia ser feito para conseguir um maior equilíbrio. Muito questionador da medicina tradicional, o conceito da Osteopatia acabou surgindo e se estabelecendo como um método alternativo para a cura de diversos males.

Tudo isso requer muito conhecimento sobre o funcionamento do nosso corpo e como os processos ocorrem dentro do nosso organismo. Com os estímulos precisos em determinadas regiões, é possível permitir que o próprio corpo solucione o problema em busca do seu equilíbrio. O método é baseado em três pilares:

  • o nosso próprio corpo produz as substâncias curativas;
  • um corpo saudável depende das condições de toda a estrutura;
  • uma estrutura viciosa é a principal causa das doenças.

A Osteopatia é, portanto, uma abordagem com um foco diferente do convencional e vem, aos poucos, ganhando mais espaço entre os pacientes. De acordo com definição da AOA (Associação Americana de Osteopatia), o tratamento pode ser considerado manual, com as mãos sendo usadas para diagnosticar, curar e prevenir doenças e/ou lesões.

Quais são as indicações e principais benefícios desse método?

A principal vantagem da Osteopatia Clínica é justamente a pluralidade de situações em que ela pode ser aplicada com sucesso. O tratamento é indicado para pacientes de qualquer faixa etária e qualquer estágio evolutivo de diferentes patologias. De doenças viscerais às musculoesqueléticas, todas podem ser tratadas com esse método.

É importante ressaltar que alguns casos mais graves devem ser analisados previamente, e o tratamento com um osteopata não é o mais indicado. Problemas como trombose, câncer, alterações metabólicas, osteoporose avançada e doenças tumorais, infecciosas ou inflamatórias da coluna, por exemplo, não devem ser tratados com esse método.

A Osteopatia, porém, garante muitos benefícios aos pacientes. Por meio dos movimentos manuais, força e flexibilidade dos músculos são estimulados, garantindo mais conforto para quem está sendo tratado. Além disso, a postura também acaba sendo beneficiada, assim como o desgaste articular é retardado com mais mobilidade.

Quais são as exigências para trabalhar com a Osteopatia Clínica?

Apesar de não ser tão difundida no Brasil, a Osteopatia Clínica é um tratamento cada vez mais procurado por pacientes e pode servir como um diferencial competitivo para quem quer se destacar no mercado da saúde. Especializar-se no assunto também pode abrir inúmeras oportunidades de trabalho para que você cresça profissionalmente.

As oportunidades de atuação para o profissional em Educação Física, como quem se formou em Fisioterapia, podem ser ampliadas com uma especialização. Além disso, a Resolução nº 220 de 23 de maio de 2001, do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, exige uma especialização própria para se tornar um osteopata.

O objetivo dessa resolução era evitar que profissionais atuassem com a Osteopatia sem o controle ético institucional específico. Sendo assim, foi estabelecido que apenas profissionais com certificados de instituições de ensino reconhecidas pelo MEC (Ministério da Educação) podem atuar com essa técnica.

Além disso, é preciso que o curso seja composto por uma carga horária mínima de 1.500 horas, sendo 500 delas destinadas exclusivamente a atividades práticas. A duração mínima do curso deve ser de 2 anos. Tudo isso contribui para um controle mais rígido da profissão e valoriza aqueles profissionais que escolheram uma especialização.

Qual é a importância de fazer uma pós-graduação?

Fica claro que fazer uma pós-graduação em Osteopatia Clínica integrada pode ser a solução mais eficaz para qualificar o seu currículo e garantir um diferencial competitivo na busca por novas oportunidades. Além de se atualizar em relação ao seu segmento de atuação, é o momento ideal para fortalecer o networking, por exemplo.

Contar com uma instituição de ensino também é importante, afinal, ela que pode oferecer todo o suporte necessário para que você se desenvolva no curso. É o caso da Faculdade Inspirar, que além da estrutura, conta com um corpo docente qualificado, ensino de alto nível na busca pela formação de profissionais cada vez mais competentes e sabe a importância das aulas práticas nesse processo.

Adicionar o método da Osteopatia Clínica pode ser um verdadeiro diferencial competitivo para que o seu currículo se destaque dentro de um mercado cada vez mais concorrido, na busca das melhores vagas e remunerações. Ao se especializar, você amplia as suas chances de ser reconhecido e valorizado por outros profissionais da sua área de atuação.

Gostou deste conteúdo? Conseguimos tirar as suas dúvidas sobre o que é a Osteopatia Clínica e como se especializar no assunto pode ser importante para o seu crescimento profissional? Agora, que tal ficar por dentro de outros temas importantes como este? Assine a nossa newsletter e receba tudo em primeira mão diretamente na sua caixa de e-mails!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.