Pós-graduação – Lato sensu ou Stricto sensu?

7 minutos para ler

Diante de um mercado de trabalho cada vez mais exigente, a competitividade também tem aumentado consideravelmente. Para adquirir mais conhecimentos e ampliar as oportunidades de emprego, os cursos de especialização surgem como ótimas opções.

A pós-graduação tornou-se uma maneira muito importante de enriquecer o currículo e conseguir mais qualificação profissional, uma vez que possibilita maior destaque entre os concorrentes.

Mas sempre surgem dúvidas como: “Qual é a melhor?”, “Lato sensu ou stricto sensu?” e “Quais as diferenças?”. Isso acontece porque uma pessoa que pretende lecionar deve escolher uma categoria distinta de quem prefere atuar no mercado de forma direta, por exemplo. São questionamentos comuns e pertinentes.

Por isso, apresentamos neste post tudo o que você precisa saber sobre os tipos de pós-graduação e em quais aspectos eles se diferenciam. Acompanhe e descubra o curso mais vantajoso para alavancar a sua carreira!

O que é e quais são os tipos de pós-graduação lato sensu?

Regulada pela Secretaria de Educação Superior (Sesu), a pós-graduação lato sensu compreende os cursos voltados para a especialização, com foco no mercado de trabalho, O objetivo é auxiliar na profissão ou garantir novas oportunidades. Com duração mínima de 360 horas, é aberta aos candidatos diplomados em cursos superiores e que atendem às exigências das instituições de ensino.

Além disso, ao final do curso o aluno obterá um certificado de conclusão — muitas vezes após a apresentação de uma monografia ou Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) —, em vez de um diploma, como acontece no curso superior. Essa categoria de pós-graduação é a escolha ideal para os profissionais que buscam se destacar na área em que atuam, uma vez que ela tem a intenção de preparar a pessoa para o dia a dia no mercado de trabalho.

As aulas podem ser ministradas presencialmente ou a distância. Além disso, as faculdades que as oferecem dependem do reconhecimento do Ministério da Educação (MEC), mas não os cursos — a menos que sejam EaD (Educação a Distância), pois nesse caso é necessário se credenciar junto à entidade. Ou seja, caso a instituição de ensino tenha uma estrutura física e esteja credenciada, o curso não precisa ser.

Sendo assim, é importante que você conheça os tipos de pós-graduação lato sensu, a fim de escolher a melhor alternativa para os seus objetivos profissionais. Confira a seguir quais são eles:

Especialização

A especialização em um determinado campo de atuação significa o aprofundamento dos conhecimentos nessa área. Assim, esse tipo de pós-graduação lato sensu permite que o discente aprenda mais sobre a profissão em que trabalha e exerça suas funções com excelência ou, se for o caso, consiga uma recolocação profissional.

Com duração de 12 a 18 meses, a especialização surge para complementar a graduação, oferecendo o grau de especialista ao profissional. Ela é indicada para quem está procurando se qualificar, de forma que o currículo esteja em maior evidência.

MBA (Master Business Administration)

A sigla, que em português quer dizer Mestre em Administração de Negócios, refere-se à categoria de pós-graduação lato sensu cujo foco é o âmbito corporativo. Nesse sentido, é o curso voltado para a administração e gestão de negócios.

Embora no Brasil o MBA não seja reconhecido como mestrado — como acontece no exterior —, ele é mais adequado para os profissionais que atuam há anos na área e procuram desenvolver suas habilidades de gestão, independentemente do campo em que trabalham.

O que é e quais são os tipos de pós-graduação stricto sensu?

A pós-graduação stricto sensu é aberta aos candidatos diplomados em cursos superiores de graduação e que atendam às exigências das instituições de ensino, além do edital de seleção. É uma categoria voltada para os profissionais que buscam seguir carreira acadêmica e/ou científica — como professores ou pesquisadores. No entanto, existe, ainda, a possibilidade de fazer o mestrado profissional, que apresenta uma programação direcionada para o mercado de trabalho.

A seleção conta com duas etapas: a primeira é uma prova dissertativa e de idiomas, enquanto a segunda é uma entrevista — que só acontece após a aprovação na primeira fase. Ela é realizada por um número variado de professores e gira em torno de questionamentos sobre a mensalidade ou bolsa de estudos e esclarecimentos acerca do pré-projeto.

Regulada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e com uma carga horária maior, cerca de 1200 horas, a pós-graduação stricto sensu oferece um diploma ao término do curso, assim como acontece na graduação. Além disso, do mesmo modo que o gênero lato sensu, também pode ser ministrado pelas instituições presencialmente ou a distância, seguindo as mesmas regras no que diz respeito ao credenciamento no MEC.

Se as suas metas profissionais guiam você até essa categoria de pós-graduação, é necessário que esteja a par dos tipos dela. Veja quais são:

Mestrado

O mestrado é direcionado para quem pretende dar seguimento à formação acadêmica ou científica, como profissionais cujo objetivo é ser professor universitário. Para isso, exige proficiência em outro idioma — normalmente, o inglês — para ser aprovado na seleção, bem como entender artigos que, muitas vezes, não estão traduzidos.

Apresenta uma duração de, em média, dois anos, em que o discente vai escolher um tema para direcionar o seu foco, a fim de aprofundar os estudos que serão desenvolvidos. Para finalizar o curso e obter o diploma, deve apresentar uma dissertação e defendê-la.

Doutorado

Primeiramente, é importante ressaltar que o caminho natural é fazer o doutorado após o mestrado. Embora não seja uma exigência, é uma tendência nas universidades brasileiras, pois cada titulação assume que o candidato teve conhecimento da etapa anterior. O ideal é conferir os editais de cada instituição.

O doutorado é responsável por habilitar os alunos para trabalhar na área de pesquisas, fazendo com que a aprendizagem sobre o tema estabelecido seja cada vez mais densa. Por esse motivo, ele é bastante complexo e demanda mais esforços do aluno, tendo uma duração aproximada de 4 anos. Para concluir o curso e conseguir o diploma, é necessária uma defesa — mais intensa e aprofundada que a do mestrado — de uma tese cujo tema deve ser o estudo de algo inédito.

Qual opção devo escolher?

Diante de tantas alternativas, é normal se sentir um pouco perdido. Por isso, considere os seus objetivos profissionais e pense em como você se enxerga no futuro. Seja lato sensu ou stricto sensu, é preciso colocar na balança e analisar em qual categoria vale a pena investir. Para ajudar na sua decisão, fizemos um comparativo entre as pós-graduações para você decidir a que se adequa às suas metas. Confira:

  • diploma: lato sensu — certificado de conclusão X stricto sensudiploma e grau acadêmico;
  • tipos de curso: lato sensu — especializações e MBA X stricto sensu — mestrado e doutorado;
  • pré-requisito: lato sensu e stricto sensu — diploma de ensino superior;
  • órgão regulador: lato sensu — Sesu X stricto sensu — Capes;
  • objetivo: lato sensu — mercado de trabalho X stricto sensu — carreira acadêmica e pesquisa;
  • avaliação final: lato sensu — TCC X stricto sensu — dissertação ou tese.

Pronto! Agora que você já sabe as diferenças entre as pós-graduações e quais os tipos que elas abrangem, ficou mais fácil entender e fazer a escolha, não é verdade? Portanto, seguindo as informações deste post, pondere suas alternativas, apure e opte pela categoria que mais combina com seus propósitos.

Dessa forma, independentemente da sua opção, lato sensu ou stricto sensu, a certeza que fica é a de que as suas chances de conseguir um emprego serão multiplicadas. Seu currículo também estará muito mais recheado, permitindo que você consiga se sobressair entre os seus concorrentes no mercado de trabalho.

Gostou deste conteúdo? Então, assine a nossa newsletter para receber artigos semelhantes diretamente no seu e-mail!

Posts relacionados