saúde do idoso saúde do idoso

Terceira Idade – um guia completo para cuidar da saúde do idoso

17 minutos para ler

Parece muito tempo, mas não é: há apenas poucas décadas, os cuidados com a saúde dos idosos eram praticamente desconhecidos, já que a expectativa de vida da população ainda era muito baixa e poucas pessoas chegavam à terceira idade. Hoje, no entanto, o cenário é outro e há uma preocupação cada vez mais incisiva com essa questão.

A saúde do idoso é tema de diversas pesquisas e até mesmo de especialidades médicas. Além da própria Medicina, outras áreas também passaram a levantar bandeiras acerca do bem-estar e da qualidade de vida na terceira idade, gerando cada vez mais interesse e proporcionando o acúmulo de conhecimento sobre esse assunto.

Mas, afinal, quais são essas áreas? E quais são os principais cuidados que devemos ter com as pessoas consideradas idosas? Aproveitando, quem são os idosos no Brasil e qual é o seu perfil e suas necessidades? A seguir, conversaremos sobre essas e muitas outras questões sobre a terceira idade. Boa leitura!

A partir de quando uma pessoa é considerada idosa?

O conceito de terceira idade pode ser bastante relativo. Ainda que pareça um consenso, muitos fatores podem determinar a chegada desse período da vida. Um deles é a expectativa de vida, que é muito diferente em países diversos e até mesmo em regiões de uma mesma nação.

Pesquisas conduzidas na cidade de São Paulo em 2019, por exemplo, mostram que moradores de bairros diferentes têm expectativas de vida diversas, ainda que apenas cerca de 20 km os separe dentro de um mesmo município.

Apesar disso tudo, no Brasil, o conceito de uma pessoa idosa passa a valer a partir dos 60 anos de idade. Alguns projetos, no entanto, buscam a alteração do Estatuto do Idoso para fazer com que a idade considerada seja de 65 anos de vida.

Qual é o perfil do idoso no Brasil?

Agora, que tal descobrirmos algumas características importantes sobre o idoso no Brasil? Isso nos dará uma boa noção sobre as necessidades e particularidades desse grupo tão importante. Vamos lá?

Expectativa de vida

Como mencionado anteriormente, a expectativa de vida é algo que pode variar muito de um país para outro e até mesmo em diferentes pontos de uma mesma região. Em uma nação com um território tão extenso, como é o caso do Brasil, isso não poderia ser diferente.

Os idosos no Brasil, portanto, têm expectativas de longevidade diferentes de acordo com a sua região de origem. No geral, no entanto, os números são bastante satisfatórios: uma média de 76,3 anos (dados divulgados em 2019), contra os 45,5 que eram observados em 1940. Ou seja, a expectativa de vida do brasileiro subiu cerca de 30 anos nas últimas décadas.

Entre as regiões brasileiras, o Sul e o Sudeste são as regiões com melhores expectativas de vida entre os seus habitantes. O Norte e o Nordeste são as divisões regionais que apresentam uma estimativa menor, principalmente devido ao déficit de recursos disponíveis para a população desses locais.

Porcentagem da população

Em 2016, o número de idosos no Brasil representava a quinta maior população de pessoas na terceira idade no mundo todo. A estimativa é, inclusive, de que em 2030 o número de idosos ultrapasse o de crianças e pré-adolescentes residentes no país.

Essa é uma tendência comum em países que já atingiram um certo nível de desenvolvimento e ultrapassaram barreiras como a baixa expectativa de vida e o alto índice de nascimentos. Pouco a pouco, o número de idosos tende a ultrapassar o índice de natalidade, que se torna menor.

De acordo com o IBGE, portanto, o número de idosos no Brasil em 2018 representava cerca de 13,5% da população. Ainda segundo o órgão, esse número provavelmente dobrará na década de 2040, saltando para cerca de 25%.

Distribuição geográfica

A distribuição demográfica no Brasil não é algo tão padronizado. Como vimos, algumas regiões têm uma maior expectativa de vida do que outras. Isso também se reflete, é claro, no número de idosos e jovens presentes em cada uma das cinco regiões brasileiras.

No Norte, por exemplo — uma das regiões com as mais baixas expectativas de vida do Brasil —, há um número bem maior de jovens. Essa é, também, uma área na qual o índice de natalidade ainda é um tanto quanto elevado, se comparado à média nacional.

Já no Sul, ocorre o contrário. Essa é uma das regiões com mais idosos e menos jovens. Isso ocorre devido ao maior controle de natalidade. O estado que tem a maior população na terceira idade é o Rio Grande do Sul. Tudo isso, claro, não é uma regra, mas apenas uma ideia para compreendermos melhor a distribuição demográfica brasileira.

Quais são os principais direitos do idoso no Brasil?

Antes de prosseguirmos com a nossa conversa, que tal conhecermos alguns dos direitos do idoso? A seguir, veremos o que dizem o Estatuto do Idoso e as diretrizes do SUS (Sistema Único de Saúde) sobre esse tema. Confira abaixo.

Direito à vida e à proteção

Um dos direitos primordiais dos idosos no Brasil está relacionado à vida e a proteção. Sendo assim, é dever do Estado e de toda a população garantir os meios necessários para que os membros da terceira idade possam ir e vir em segurança. Dessa forma, a saúde também está inclusa nesse tópico, ainda que indiretamente.

Direito à saúde

O segundo direito que falaremos é justamente o acesso universal à saúde, pelo SUS. Dessa forma, é consenso que os idosos precisam ter a possibilidade de frequentar o médico sempre que necessário, tendo as suas necessidades atendidas. Isso inclui uma série de fatores, como vagas disponíveis e cuidados com a acessibilidade no local. Infelizmente, há, ainda, muitas falhas nesse ponto.

Direito ao envelhecimento ativo e saudável

O próximo direito diz que o idoso precisa ter acesso às políticas públicas que permitam que ele, além de ir e vir, possa envelhecer de forma saudável e equilibrada. Isso envolve uma série de fatores que vão muito além de consultas periódicas com o médico. Aqui, tratamos de assuntos mais profundos, como a saúde mental.

Direito à liberdade, respeito e dignidade

Todos nós temos o direito de ir e vir. Os idosos, no entanto, estão entre os indivíduos que mais encontram dificuldades e espaços aptos a recebê-los no “mundo real”. Isso afeta a sua dignidade e respeito, prejudicando a autonomia e os limitando, impossibilitando que eles possam transitar livremente pela cidade.

Direito à alimentação

Além disso, é fundamental que o idoso tenha acesso completo a uma alimentação de qualidade, que atenda a todas as suas necessidades nutricionais particulares. Há muitos meios de atingir esse objetivo, mas infelizmente, ainda há um grande problema com a distribuição de recursos, o que prejudica a dieta de muitas pessoas que se encontram na terceira idade.

Direito à educação, cultura, esporte e lazer

A terceira idade não é, de modo algum, o momento para parar de se mover! Sendo assim, o idoso também tem direito à educação, cultura, esporte e lazer, ou seja, meios de continuar com a mente e o corpo ativo. É dever do estado e das instituições prover esse tipo de conteúdo para a terceira idade e facilitar o acesso da mesma a esses ambientes.

Direito à habitação e transporte

Por fim, o direito à moradia e ao uso do transporte público também são garantidos por lei, segundo o Estatuto do Idoso. No entanto, há uma série de desafios nesse ponto, que envolvem, por exemplo, a dificuldade de locomoção de muitos idosos e a falta de adaptação por meio dos veículos públicos, o que impossibilita a utilização dos mesmos pelo grupo.

Quais são as necessidades de cuidados com a saúde do idoso?

Agora, que tal conhecermos um pouco sobre as principais demandas dos cuidados de saúde com idosos? Sabemos que esse é um grupo com direitos e particularidades que devem ser respeitados. Saiba, então, como essas questões podem ser trazidas para o âmbito da saúde no Brasil.

Espaços adaptados

Um dos maiores problemas enfrentados pelos idosos em nossa sociedade é a ausência de espaços adaptados às suas necessidades. Isso é visto em todos os âmbitos e não apenas na área da saúde, ainda que essa seja uma das que mais peca por ser, também, uma das que mais recebe idosos diariamente para atendimento.

Espaços que não são preparados para receber idosos com dificuldades de mobilidade (muitos dos quais utilizam cadeiras de roda, por exemplo) são extremamente comuns até mesmo em hospitais. Além disso, há uma grande dificuldade referente à mobilidade urbana. É, muitas vezes, impensável que um idoso desacompanhado possa se locomover no transporte público dos grandes centros.

Esse tipo de descaso é um dos principais pontos que devem ser observados quando mencionamos ações que visam melhorar não só o acesso do idoso às clínicas e hospitais, mas também a sua maior inclusão em diversos outros espaços públicos (o que também é parte da programação de melhora dos cuidados com a saúde).

Atenção para escutá-los

Outro ponto muito falho no atendimento ao idoso (mais uma vez, não apenas no âmbito da saúde) é a falta de preparo e de paciência dos colaboradores para escutá-los. Muitas vezes, lidar com pessoas da terceira idade pode ser bastante diferente do atendimento destinado aos jovens.

Compreender esse tipo de diferenciação é essencial para que possamos, enfim, oferecer um atendimento realmente adequado a esse grupo, que muitas vezes lida com problemas auditivos ou cognitivos, que dificultam a compreensão de diálogos vistos por nós como simples.

No campo da saúde, o treinamento do corpo de funcionários para lidar com essas questões com jogo de cintura é essencial. Assim, poderemos obter resultados mais satisfatórios na busca por uma saúde mais abrangente aos idosos do Brasil.

Atendimento humanizado e personalizado

Ainda falando sobre os desafios do atendimento ao idoso na saúde, é importante salientar a importância da humanização nesse campo. Até pouco tempo atrás, pouco se falava sobre esse tema. Atualmente, no entanto, ele é extremamente relevante e deve também ser trazido para a discussão sobre a terceira idade.

A personalização do atendimento também é muito importante, já que cada paciente é completamente único e deve ser tratado como tal. O respeito à individualidade do idoso é fundamental para que ele possa se sentir respeitado e seguro no decorrer de seus atendimentos.

Juntos, humanização e personalização são pontos cruciais para o sucesso das medidas voltadas aos cuidados com a saúde do idoso. O treinamento, mais uma vez, se faz indispensável para os profissionais que lidam com esse grupo etário em seu dia a dia.

Profissionais especializados e qualificados

Sendo assim, há uma necessidade urgente de termos cada vez mais profissionais especializados nos cuidados com a saúde do idoso. Embora o treinamento possa ser muito eficiente para o colaborador que lida com a saúde, há uma demanda crescente para mão de obra especializada nesse tema.

Profissionais especializados são treinados durante todo o curso a lidar com esse grupo que tem — assim como as crianças — necessidades e particulares que os tornam absolutamente ímpares.

Dessa forma, pessoas que contam com especializações e pós-graduações em seus currículos se destacarão fortemente nos próximos anos. Esse, inclusive, é o tema de nosso próximo tópico. Confira, então, algumas dicas de profissões que podem estar relacionadas aos cuidados com o paciente idoso.

Como profissionais da área da saúde podem se especializar?

Agora, para enriquecer ainda mais o nosso bate-papo, vamos conversar sobre algumas das profissões, áreas e especializações voltadas para os cuidados com os idosos. Veremos as principais características desse campo e muito mais. Veja a seguir.

Geriatria

Começaremos a nossa lista de carreiras voltadas aos cuidados com os idosos por uma das mais famosas e populares: a Geriatria. Essa é uma área da Medicina que tem como objetivo a manutenção da saúde desse grupo, por meio do diagnóstico, prevenção e tratamento de enfermidades que podem ou não estar relacionadas ao envelhecimento.

O geriatra é, portanto, o médico especializado no cuidado com as pessoas idosas. Para chegar a esse cargo, ele precisou passar pelos 6 anos regulares da graduação em Medicina e por uma especialização que, por sua vez, pode ser feita tanto por meio de uma pós-graduação ou de uma residência, ambas com duração média de 2 a 3 anos.

Esse é o profissional indicado para cuidar de doenças que mais comumente acometem os idosos, como a hipertensão arterial e a demência. Além disso, ele está preparado para lidar com a prescrição de cuidados paliativos ao fim da vida de seus pacientes.

O geriatra, ao longo de sua formação, estuda as particularidades do organismo dos idosos e todas as peculiaridades do envelhecimento nos seres humanos. Por isso, é qualificado para fornecer mais qualidade de vida a esse grupo tão vulnerável e importante da sociedade!

Psicologia

Em segundo lugar, que tal abordamos um pouco sobre a Psicologia? Essa é uma área que não para de crescer de modo geral e em todo o mundo. No Brasil, é claro, isso não é diferente. Segundo pesquisas, inclusive, o nosso país é o mais ansioso e deprimido da América Latina, o que mostra a crescente necessidade desse tipo de profissional no mercado.

Então, pare para pensar: se a população brasileira apresenta grandes números de problemas de saúde como a depressão e, ao mesmo tempo, o número de idosos está crescendo, o que pode acontecer? Sim, é isso mesmo: é bem provável que, nos próximos anos, o número de membros da terceira idade com distúrbios emocionais cresça consideravelmente.

Sendo assim, a psicologia voltada às necessidades dos idosos pode ser uma grande oportunidade de trabalho no Brasil para os próximos anos. Saber lidar com os anseios, tristezas e demandas da terceira idade é algo muito particular. Por isso, iniciar uma especialização pode ser uma boa!

Além disso, esse profissional será um responsável direto por proporcionar uma considerável melhora na qualidade de vida desse grupo, já que a saúde mental é extremamente importante para que possamos nos sentir bem e felizes. Os cuidados com a saúde começam na mente!

Fisioterapia

A fisioterapia, assim como a psicologia, é uma outra área com especializações voltadas especificamente para o tratamento dos idosos. Aqui, o foco é a reabilitação de movimentos, a prevenção de lesões e o tratamento de uma série de doenças que comumente atingem a esse grupo tão particular.

O fisioterapeuta especializado no tratamento da terceira idade estará apto a lidar com as particularidades desse período da vida, devolvendo não só a mobilidade, mas também a independência para essas pessoas que normalmente perdem, devido à falta de cuidados e infraestrutura, um pouco de sua autonomia.

Sendo assim, o tratamento e acompanhamento fisioterápico também é essencial para a devolução da autoestima a esses indivíduos, fazendo com que a sua saúde mental também seja melhorada pouco a pouco.

O controle de dores crônicas também é um dos objetivos da fisioterapia em gerontologia. Tudo isso, somado, faz com que o idoso que vá a sessões frequentes se sinta muito melhor, mais confiante e mais apto a ter uma vida completa e feliz mesmo dentro das limitações trazidas pelo envelhecimento do organismo.

Gerontologia

Por fim, vamos falar um pouco sobre a gerontologia. Essa é uma área relativamente mais jovem, que vem crescendo fortemente nos últimos anos. Os profissionais especializados nesse ofício são aqueles que estudam profundamente os aspectos que envolvem o processo de envelhecimento.

Assim, o gerontólogo é um profissional que lida única e exclusivamente com os fenômenos sociais, biológicos, psicológicos e físicos que envolvem o ato de envelhecer. Ele atua diretamente na pesquisa e na promoção de políticas e ações que possam melhorar a qualidade de vida e o acesso dos idosos aos direitos que são garantidos a eles por lei.

Para ser um gerontólogo, é necessário que o profissional seja formado em algum curso superior e que se especialize nessa área. Ele obterá um título de especialista e poderá, então, atuar mais ativamente no tratamento e na prevenção de uma série de problemas que atingem a vida dos idosos em vários âmbitos.

Aqui, portanto, há espaço não apenas aos profissionais da área da saúde (como médicos, fisioterapeutas ou nutricionistas, por exemplo), mas também para indivíduos formados em cursos como o Serviço Social e até mesmo o Direito. Dessa forma, fica muito mais fácil planejar a carreira!

Como é o mercado de trabalho para o profissional especializado na saúde do idoso?

Ao longo de nossa conversa, vimos uma série de informações sobre a população idosa no Brasil. Aprendemos, por exemplo, um pouco sobre seus direitos garantidos pelo Estatuto do Idoso. Além disso, vimos também quais são os desafios enfrentados por esse grupo na saúde pública e como funciona a sua distribuição demográfica pelo país.

Todas essas informações nos levam a apenas um lugar: hoje há uma preocupação muito maior com a saúde do idoso e um espaço imensamente mais relevante no mercado destinado aos profissionais especializados nas particularidades do envelhecimento.

Sendo assim, podemos concluir que o mercado para os profissionais especializados na terceira idade é extremamente vantajoso. Lidar com a fase da vida idosa está em alta, em todos os sentidos. Afinal, precisamos cuidar melhor de um grupo que representará, em poucos anos, um quarto de toda a população brasileira.

Essa é, portanto, a melhor hora para se investir em especializações e cursos voltados aos cuidados com a saúde do indivíduo idoso. Além de ser muito importante para a sociedade, esse tipo de trabalho se tornará mais e mais valorizado nos próximos anos, nos quais medidas voltadas à qualidade de vida dessas pessoas se intensificarão. Então, que tal estudar na Faculdade Inspirar?

Gostou de conhecer um pouco mais sobre a saúde do idoso no Brasil, suas principais demandas e até mesmo alguns cursos voltados para quem gosta dessa área? Esse tipo de informação é essencial para que possamos, pouco a pouco, nos tornar uma nação mais justa para a população que se encontra na terceira idade, cumprindo com os direitos destinados a ela.

Para expandir ainda mais os seus conhecimentos sobre as profissões voltadas ao grupo dos idosos, que tal aprender um pouco mais sobre a área da Fisioterapia? Faça o download — completamente gratuito — de nosso material Especialização em Fisioterapia: um guia para saber escolher a ideal e fique por dentro das particularidades dessa área!

Posts relacionados

Deixe um comentário