Síndrome de Burnout

3 minutos para ler

Doença afeta cerca de 78% dos profissionais da saúde durante a pandemia

A síndrome de Burnout, também conhecida como Síndrome do Desgaste Profissional, é uma doença caracterizada pela exaustão física, mental e emocional resultante do acúmulo de estresse no ambiente de trabalho.

Esse é um transtorno psíquico de caráter depressivo, com sintomas parecidos com os do estresse, ansiedade e síndrome do pânico, mas que está intimamente ligado à vida profissional.

A enfermidade é determinada por situações em que a tensão e o estresse provocados pelas condições de trabalho são tão grandes que levam a pessoa ao esgotamento profissional. Essa doença acomete com mais frequência profissionais que têm que lidar com constante pressão e muita responsabilidade, como os profissionais da área da saúde.

E por falar nesses profissionais, a pandemia tornou-se um agravante dessa doença e trouxe muitas implicações psicológicas negativas para eles. De modo geral, os profissionais da saúde lidam diariamente com fortes emoções, sobrecarga de trabalho e momentos estressantes, que foram altamente acentuados pela covid.

Um estudo realizado pelo portal de saúde PEBMED apontou que 78% desses profissionais tiveram sintomas da Síndrome de Burnout. Os mais afetados foram os médicos com a porcentagem de 79% dos entrevistados, seguido por 74% dos enfermeiros e 64% dos técnicos de enfermagem.

Outra pesquisa, realizada pela International Stress Management Association (ISMA-BR), revelou que o Brasil é o segundo país com o maior número de pessoas afetadas pela Síndrome de Burnout.

Sintomas

· Alteração nos batimentos cardíacos;

· Alterações no humor;

· Cansaço excessivo;

· Dificuldades de concentração;

· Dor de cabeça frequente;

· Dores musculares;

· Fadiga;

· Insônia;

· Pressão alta;

· Problemas gastrointestinais;

· Sentimento de derrota e desesperança;

· Sentimento de fracasso e insegurança;

· Sentimentos de incompetência.

Esses sintomas surgem de forma leve, mas tendem a piorar com o passar do tempo. Para evitar problemas mais sérios e complicações da doença, é fundamental buscar apoio profissional assim que a pessoa notar qualquer um desse sintomas.

Tratamento

O tratamento para essa síndrome deve ser orientado por um psicólogo através da realização de sessões de terapia. Porém, caso os sintomas se mantenham, o psicólogo pode encaminhar o paciente a um psiquiatra para iniciar a ingestão de remédios antidepressivos.

Posts relacionados