Urgência e emergência: quais habilidades o profissional da saúde deve ter?

6 minutos para ler

Trabalhar na área de urgência e emergência de uma organização não é tarefa simples. Pelo contrário, esse é o campo mais complicado para o profissional de saúde atuar, pois lida com situações difíceis e graves em que o paciente corre o risco de vir a óbito. Nesse sentido, alguns segundos no atendimento podem ser decisivos.

Esse ramo tem como pré-requisito o conhecimento do profissional sobre praticamente todas as especialidades, tornando-se uma área ainda mais complexa. Assim, fazer especializações para seguir nessa carreira torna-se essencial. Apesar disso, aqui no Brasil ainda há uma escassez de boas instituições que ofereçam essa matriz curricular durante a formação.

Embora exista essa deficiência, a maior parte dos recém-formados em Medicina, por exemplo, termina trabalhando nesse ramo, fazendo plantões de longas horas, que vão madrugada adentro. Além disso, os médicos e outros especialistas da saúde estão mais sujeitos às circunstâncias desgastantes devido ao trabalho em demasia, excesso de responsabilidades, etc.

Dessa forma, é preciso estar ciente de que algumas competências são necessárias para seguir essa carreira. Neste post vamos apresentar as principais habilidades que o profissional de saúde deve desenvolver para atuar na área. Acompanhe!

Manter-se alerta e estável

Todo mundo sabe que um profissional muito cansado não consegue ser produtivo no trabalho. Na área da saúde é comum que as pessoas que atuam no pronto-socorro trabalhem por longos períodos de tempo em plantões que podem durar a noite toda. Esse esforço é exaustivo e, se você não se mantiver descansado e alerta, as chances de prestar um mau atendimento são grandes.

Assim, é imprescindível estar sempre atento para lidar com as dificuldades que surgem na emergência. Além disso, é preciso ser estável, visto que situações árduas fazem parte do seu dia a dia. Imagine ter que enfrentar momentos tensos cotidianamente enquanto a saúde mental está abalada? Por isso é fundamental que você tenha autocuidado.

O excesso de responsabilidades também é um aspecto que interfere no bem-estar do profissional e, portanto, na qualidade do seu atendimento. Dessa forma, é aconselhável atribuir uma tarefa para outra pessoa, quando isso for possível, pois assim o estresse, bem como o desgaste físico e emocional, serão menores.

Saber lidar com limitações de recursos

Muitas vezes o profissional terá que lidar com situações em que os recursos são limitados. No Brasil, sabe-se que há uma carência nesse quesito. Assim, os problemas do SUS (Sistema Único de Saúde) e UPAs (Unidades de Pronto Atendimento) vão desde a falta de remédios à ausência de infraestrutura. O profissional da saúde precisa estar apto para enfrentar tais condições.

Tomando como exemplo a série Sob Pressão, produzida pela Globo, que retrata a escassez de recursos de um pronto-socorro em que os médicos se empenham diariamente para superar os impasses e conseguir salvar as vidas dos pacientes, a realidade não é muito distante.

Ocasionalmente também vai acontecer de o paciente precisar ser encaminhado para outro hospital, uma vez que essa limitação de recursos refletirá na ausência de especialistas ou materiais. No entanto, quando não for possível, o profissional da emergência é quem vai assumir a tarefa de atendê-lo e garantir que permaneça bem. Por isso, agilidade é indispensável.

Assim, é essencial ter a habilidade de lidar com a insuficiência de recursos. É possível adquirir essa competência por meio de um preparo técnico e emocional adequado, visto que, além da tomada de decisões rápidas, também será exigido que você tenha calma para trabalhar com tranquilidade e proporcionar um atendimento eficaz.

Trabalhar em equipe

Em qualquer ambiente de trabalho é preciso estar preparado para colaborar com a equipe. Na área da saúde, principalmente da urgência e emergência, essa habilidade é ainda mais importante, uma vez que a vida dos pacientes está em jogo. Nesse campo, cada um tem uma função predeterminada e, para que tudo ocorra bem, é necessário que haja logística e disciplina a fim de que as atividades sejam realizadas de maneira ágil.

O trabalho em equipe na saúde significa todos os profissionais atuando unidos em prol do bem-estar de um paciente. Levando em consideração que esse ramo compreende pessoas com o estado de saúde crítico, a colaboração, sintonia e comprometimento da equipe transmitem segurança para os familiares deste paciente.

Várias mentes trabalhando juntas pensam melhor. Por isso, profissionais entrosados garantem resultados positivos, evitando interferências na comunicação — que podem ter sérias consequências —, além de proporcionar confiança e um atendimento de qualidade.

Ter uma boa comunicação

Visto que na área da saúde os profissionais lidam com seres humanos, é imprescindível saber se comunicar. Na emergência, essa necessidade é ainda maior, já que as situações dos pacientes são mais críticas, fazendo com que você precise compartilhar também notícias desagradáveis com os familiares.

Por exemplo, alguns profissionais transmitem, gradualmente, a piora do estado de saúde para a família do paciente, com o intuito de que o óbito seja um cenário já aguardado.

Pense em como você gostaria de ser comunicado sobre uma situação triste e faça isso enquanto profissional. Saber trabalhar essa habilidade é fundamental para transmitir a informação de maneira empática, oferecendo o conforto e acolhimento necessários para quem recebe a notícia dolorosa. Ter uma boa comunicação faz parte de um atendimento médico de qualidade.

Viu como é importante desenvolver as habilidades para atuar nesse campo? Assim, você estará preparado para enfrentar as situações atribuladas que fazem parte do cotidiano de quem trabalha em um pronto-socorro. Por isso, é essencial fazer especializações de qualidade para se capacitar.

Embora ainda sejam poucas, as instituições de ensino que oferecem cursos de pós-graduação nessa área existem. Por meio delas, você vai entender as práticas para realizar atendimentos adequados e eficazes na área de urgência e emergência, identificando causas e tratamentos, além de aprender a lidar com a escassez de recursos.

E aí, gostou deste artigo? Quer compartilhar sua opinião ou tirar alguma dúvida? Então, deixe um comentário e participe da discussão!

Posts relacionados

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.