Acidente Vascular Cerebral

3 minutos para ler

E a importância da Fisioterapia Neurofuncional

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Acidente Vascular Cerebral (AVC) é uma doença de origem multifatorial, que exige uma combinação de fatores de risco que influenciam na probabilidade de um indivíduo sofrer um AVC. É uma das principais causas de mortalidade e sequelas no mundo.

Sequelas

Geralmente o AVC pode cursar com cinco tipos principais de déficits:

· Alterações cognitivas;

· Alterações da comunicação;

· Alterações sensoriais;

· Distúrbios emocionais;

· Paralisia e alterações da motricidade.

Tratamento

O médico tem um papel importante na gestão multidisciplinar, recomendando para o paciente o programa de reabilitação que melhor se adeque às necessidades particulares dele.

A Fisioterapia é parte do tratamento, pois atua em todo o processo de reabilitação física e motora. A especialidade vai permitir ao paciente de AVC readquirir o uso dos membros afetados, desenvolvendo mecanismos compensatórios para reduzir o impacto dos déficits e estabelecer uma conduta de exercícios que irão manter as novas capacidades adquiridas.

Ela tem o papel de melhorar algumas funções, como:

· Aumento da resistência;

· Fortalecimento e estabilização do tronco;

· Independência funcional;

· Melhora do equilíbrio;

· Otimizar a estimulação sensorial;

· Prevenção de complicações secundárias;

· Promoção da recuperação do controle motor;

· Recuperação da mobilidade global.

A Fisioterapia é o melhor recurso para reabilitação física e traz inúmeros benefícios, com o objetivo principal de fazer com que o paciente possa readquirir suas capacidades perdidas, tornando-o novamente independente e restabelecendo sua qualidade de vida.

Fisioterapia Neurofuncional

Segundo a OMS, após um AVC, um longo e persistente trabalho de reabilitação neurológica deve ser realizado para minimizar os prejuízos causados pela doença.

Os tipos e graus de comprometimento neurológico e sequelas que ocorrem após um Acidente Vascular Cerebral dependem de qual área do cérebro foi atingida.

O AVC pode causar alguns tipos de deficiência:

· Distúrbios emocionais;

· Distúrbios sensoriais;

· Dor;

· Paralisia ou problemas no controle do movimento;

· Problemas com pensamento e memória;

· Problemas para usar ou compreender a linguagem.

A Fisioterapia após o AVC pode melhorar a qualidade de vida do paciente, promovendo independências funcionais, proporcionando melhorias no movimento, estimulando uma vida com atividades cotidianas e de lazer, e ainda reintegrando o indivíduo à sociedade.

Nessa área da Fisioterapia, é possível recuperar as funções do cérebro que porventura tenham sido comprometidas pelo AVC, além de estimular a memória e minimizar padrões patológicos.

Exercícios voltados ao fortalecimento e alongamento dos músculos, treinos de equilíbrio e uma série de estímulos que visam o restabelecimento sensorial são algumas atividades que a Fisioterapia utiliza de acordo com o quadro de cada paciente.

Posts relacionados