Estimulação Cerebral: um aliado promissor no combate ao Acidente Vascular Cerebral (AVC)

O Acidente Vascular Cerebral (AVC), frequentemente conhecido como “derrame”, é uma condição médica de extrema gravidade que compromete a circulação sanguínea no cérebro, resultando em danos neurais que podem desencadear deficiências motoras, cognitivas e de fala. A reabilitação após um AVC representa um processo fundamental, destinado a auxiliar os pacientes na recuperação das funções prejudicadas e na melhoria da sua qualidade de vida. No entanto, é inegável que esse processo muitas vezes se depara com limitações significativas.

A reabilitação após um AVC é um desafio notável para aqueles que enfrentam as implicações neurológicas dessa condição. Contudo, por meio de abordagens inovadoras, como a estimulação cerebral, os pacientes estão tendo novas opções de tratamento. Técnicas como a Estimulação Magnética Transcraniana (EMT) e a Estimulação Elétrica Funcional (EEF) têm apresentado resultados promissores no âmbito da reabilitação pós-AVC. Essas técnicas aplicam estímulos controlados diretamente no cérebro, visando ativar áreas específicas relacionadas às funções afetadas pelo AVC, como movimento, linguagem e cognição.

A EMT, por exemplo, é empregada para estimular regiões cerebrais específicas associadas às habilidades motoras e cognitivas comprometidas pelo AVC. Esse estímulo apresenta o potencial de aprimorar a conectividade neuronal, facilitando a reativação de circuitos cerebrais que podem ter sido prejudicados pelo evento vascular.

É relevante mencionar que a EMT realiza sua intervenção de maneira não invasiva, valendo-se da aplicação de campos magnéticos direcionados para estimular o cérebro. Focando em áreas cerebrais específicas, essa técnica pode promover a reorganização neural, contribuindo para a recuperação funcional. Assim, vislumbra-se uma nova perspectiva de tratamento, em que a plasticidade cerebral é estimulada com o intuito de otimizar os resultados da reabilitação. Como salienta a fisioterapeuta neurofuncional, Luize Bueno. “A neuroplasticidade pode ser estimulada de diversas maneiras, ao envolver qualquer aprendizado ou, no caso do AVC, re-aprendizado.”

Entretanto, é preciso ressaltar que essa abordagem requer a competência de profissionais devidamente qualificados, no contexto de um cuidado de saúde completo. A colaboração entre neurologistas, fisioterapeutas e outros especialistas é essencial para garantir um tratamento eficaz e seguro. Como destaca Luize, “É importante ter em mente que o tipo, localização e extensão do AVC, bem como os primeiros atendimentos médicos prestados e o acesso à fisioterapia precocemente, são fatores importantes para que a neuroplasticidade possa acontecer positivamente após AVC.”

À medida que a pesquisa nesse campo continua a avançar, mais portas se abrem para a esperança e a recuperação dos pacientes de AVC. A possibilidade de melhorar a qualidade de vida, restaurar habilidades e promover a independência após um AVC é uma perspectiva promissora. A estimulação cerebral, com sua capacidade de desbloquear o potencial de cura do cérebro, está iniciando o caminho para um futuro mais brilhante na reabilitação pós-AVC.

Veja Mais

QUESTIONAMOS O CONHECIDO

Acreditamos que a aprendizagem pode ser diferente, pode ser melhor. É isso que nos impulsiona a quebrar barreiras e oferecer uma experiência de aprendizagem única.

Aqui, provocamos o potencial das pessoas para elas se prepararem para conquistar o novo, transformar o desconhecido em conhecimento e estimular a construção de um mundo melhor.

Afinal, é isso que nos faz ser uma Faculdade à frente do nosso tempo.

Quer mais informações?

0800 602 2828